Petroleiros resistem às ações arbitrárias da Petrobrás e seguem forte no segundo dia de greve! Petroleiros resistem às ações arbitrárias da Petrobrás e seguem forte no segundo dia de greve!

Diversos, Notícias | 18 de outubro de 2013

Continua forte a greve dos petroleiros iniciada quinta-feira, 17, em todo o Sistema Petrobrás. Apesar das ações antissindicais da empresa, que insiste em desrespeitar o direito de greve, ingressando com interditos proibitórios e mantendo trabalhadores em cárcere privado nas unidades, os petroleiros estão resistindo e seguem parados por tempo indeterminado. Segundo informações dos sindicatos da FUP, a adesão dos petroleiros é de 90% a 100% nas unidades operacionais, com forte participação dos trabalhadores terceirizados e também do administrativo.

A operação está sendo mantida na maioria das regiões do país por equipes de contingência da Petrobrás, formadas por gerentes, supervisores e outros profissionais sem experiência nas tarefas de rotina das refinarias, plataformas e terminais, o que coloca em risco a segurança das equipes e das próprias unidades. Na Bacia de Campos, já foram registrados vazamentos nas plataformas PCE-1 e P-15.

Os trabalhadores do Sistema Petrobrás exigem a suspensão imediata do leilão do campo de Libra, marcado para o próximo dia 21, e por avanços na campanha reivindicatória. A categoria também exige a retirada de tramitação do Projeto de Lei 4330, que escancara a terceirização para as atividades-fim, acaba com a responsabilidade solidária das empresas contratantes e piora consideravelmente as condições de trabalho, atacando direitos históricos da classe trabalhadora.

NOVAS ADESÕES

A greve conta agora com a adesão também dos petroleiros de Pernambuco, que ingressaram no movimento às 23h de ontem. Estão parados os trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima, do Terminal Aquaviário de Suape e do Gasoduto de Jaboatão. Segundo informações do Sindipetro PE/PB, as unidades da Petrobrás no estado estão paradas e na madrugada desta sexta-feira, os trabalhadores interromperam o carregamento de óleo para as carretas que abastecem as termoelétricas do estado.

Na Bacia de Campos, subiu para 40 o número de plataformas que estão em greve, com adesão de Pargo (PPG-1). Segundo informações do sindicato, mais plataformas podem aderir ao movimento nos próximos instantes.

Nas refinarias e terminais da Transpetro, a troca de turno continua suspensa desde o final da noite de quarta-feira, 16, em todas as bases da FUP. Na Repar, refinaria do Paraná, a greve já causou redução de cerca de 15% da produção. Em São Paulo, além das refinarias e terminais, a malha estadual de distribuição de  gás também está parada, com adesão dos trabalhadores das estações de Suzano e Taubaté. Em Macaé, no Norte Fluminense, cerca de 5 mil trabalhadores que atuam nas obras do Projeto de Ampliação de Processamento de Gás e Condensado (Plangas) do Terminal de Cabiúnas aderiram à greve.

No Rio Grande do Norte, segundo o sindicato, 100% da produção das plataformas foi interrompida e os trabalhadores entregaram as unidades despressurizadas, com poços fechados e em estado de segurança. A greve segue forte também  Polo de Guamaré e nos campos de produção terrestre. O estado conta com 5.160 poços de petróleo, distribuídos em 60 campos de produção em terra e 10 no mar.

No Espírito Santo, a produção de GLP da UTGC (Unidade de Tratamento de Gás), em São Mateus, continua paralisada desde ontem.

Os petroleiros permanecerão em greve em todo o país para impedir que a maior reserva do pré-sal seja leiloada e fortalecer a luta da classe trabalhadora contra o PL 4330.

Plataformas e campos terrestres

Na Bacia de Campos, a greve tem adesão de 40 plataformas. Destas, pelo menos 15 foram entregues com a produção de petróleo parada ou reduzida.

Nos campos de produção terrestre da Bahia, os petroleiros anteciparam a paralisação para as 20 horas de ontem nas estações de Candeias, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passe, Socorro, Marapé e Dom João.  No Ativo Norte, os trabalhadores próprios e terceirizados pararam a produção de 22 poços de petróleo.

No Rio Grande do Norte, os petroleiros pararam a produção nos campos terrestres de Alto do Rodrigues, Campo do Amaro, Riacho da Forquilha, Base 34 e Campo de Estreito, além do Polo de Guamaré. Todas as 22 plataformas marítimas da região também estão paradas.

Refinarias

Estão parados os trabalhadores das refinarias de Duque de Caxias (Reduc/RJ), Manaus (Reman/AM), Paulínia (Replan/SP), Mauá (Recap/SP), Mataripe (Rlam/BA), Gabriel Passos (Regap/MG), Paraná (Repar), Alberto Pasqualine (Refap/RS), Abreu e Lima (Pernambuco), além da SIX (usina de Xisto/PR) e da FAFEN (fábrica de fertilizantes/BA).

Transpetro

Na Transpetro, a greve atinge os terminais de Solimões (AM), Suape (PE), Jaboatão (PE), Madre de Deus (BA), Campos Elíseos (Duque de Caxias/RJ), Cabiúnas (Macaé/RJ), Guararema (SP), Guarulhos (SP), São Caetano (SP), Barueri (SP), São Francisco do Sul (SC), Itajaí (SC), Guaramirim (SC), Biguaçu (SC), Paranaguá (PR), Osório (RS), Canoas (RS) e Rio Grande (RS).

Gás, Biodiesel e Termoelétricas

No Espírito Santo, todos os trabalhadores da Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC) aderiram à greve, inclusive os terceirizados, interrompendo a distribuição de gás.Também aderiram à greve os trabalhadores da malha de gás de São Paulo, das usinas de Biodiesel da Bahia e de Montes Claros, da Termorio (Duque de Caxias) e da Termoeletrica Aureliano Chaves, em Minas Gerais.

FUP

Petroleiros resistem às ações arbitrárias da Petrobrás e seguem forte no segundo dia de greve!