Fim do turno na UBDR: a serpente sai do ovo Fim do turno na UBDR: a serpente sai do ovo

Diversos, Notícias | 7 de fevereiro de 2014

Há poucos dias, denunciamos que na Regap estavam querendo implantar a “lista de cobertura” para buscar trabalhadores de turno em casa e acabar com as dobras. Mostramos que isso seria o “ovo da serpente”. Isto é, esta “lista” era o prenúncio de que coisas piores estavam para acontecer na refinaria e em todo Sistema Petrobrás.

Não demorou muito e a direção da empresa já está colocando em prática um maquiavélico plano que só piora a situação do trabalhador. O incentivo para que os petroleiros mais antigos saiam sem a devida recomposição do efetivo é um exemplo. Outra mostra de que a “serpente” já saiu do ovo é o que vem ocorrendo em Montes Claros: o gerente avisou que vai acabar com o turno no laboratório (QP). Querem terceirizar o trabalho no laboratório. Vão tornar precárias as condições de trabalho no QP e ainda caminham para entregá-lo a alguma empresa terceirizada. Os trabalhadores estão revoltados e o Sindipetro/MG não vai aceitar mais esse ataque aos petroleiros e à Petrobrás.

A administração da Sra. Graça Foster não fica devendo nada aos dirigentes neoliberais que já passaram pelo comando da Petrobrás na era FHC. Essa política de cortar turno em laboratório e terceirizar já foi usada na Regap. Os resultados foram trágicos. Os trabalhadores próprios trabalhavam só no HA e os terceirizados não tinham treinamento suficiente para dar conta de todas as tarefas. A eficiência dos trabalhos caiu, causando mais prejuízos que lucros para a empresa. O turno acabou, retornando ao laboratório com os trabalhadores petroleiros.

Mas parece que a gerência da Petrobrás quer cometer os mesmos erros do passado, impondo um corte de despesas que já foi provado que não funciona. Tem um ditado que diz que “quem não aprende com seus erros é burro, quem aprende com seus próprios erros é inteligente e quem aprende com o erros dos outros é sábio”. Ao que parece, não se pode esperar da direção da Petrobrás nem inteligência nem sabedoria, parece que está mergulhada na mais pura burrice, porque não aprende nem com seus próprios erros.

Os trabalhadores, os sindicatos e a FUP não vão aceitar que dentro de um governo popular tenhamos uma política administrativa desastrosa que nos faz retornar aos anos de chumbo do governo FHC. Passamos uma década revertendo as perdas causadas pelo neoliberalismo dentro da empresa e não podemos deixar que tenhamos retrocesso. Não vamos deixar essa “serpente” crescer. Vamos lutar contra essa volta do neoliberalismo na Petrobrás e pela volta de uma administração que tenha como prioridade a segurança, o respeito aos trabalhadores e uma empresa voltada para os interesses do povo brasileiro.

Sindipetro/MG

Fim do turno na UBDR: a serpente sai do ovo