Greve dos Correios se fortalece em Minas Gerais Greve dos Correios se fortalece em Minas Gerais

Diversos, Notícias | 10 de fevereiro de 2014

Trabalhadores e trabalhadoras decidiram pela continuidade da greve, em assembleia realizada no início da tarde desta quarta-feira (5), na porta da Agência Central, na avenida Afonso Pena, Centro de Belo Horizonte. A categoria exige que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) cumpra o acordo firmado em 2013, em julgamento de dissídio no Tribunal Superior do Trabalho (TST), e não privatize o Correio Saúde, que é um benefício. Com a terceirização, trabalhadores e trabalhadoras passariam a pagar mensalidade, usando ou não o serviço, que se chamaria Postal Saúde. Atualmente os Correios são os únicos gestores do plano de saúde. Outra cláusula do acordo, que não vem sendo cumprida, é a implantação da distribuição de correspondências no período da manhã. A tarefa atualmente é cumprida durante a tarde, sob intenso calor, principalmente no verão.

A paralisação dos Correios, que completa seis dias nesta quarta-feira (5), se fortalece em Minas Gerais. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios (Sintect-MG), a adesão ao movimento cresce a cada dia, principalmente no setor de distribuição. Na manhã desta terça-feira, houve manifestações no Centro de Cartas e Encomendas (CCE) no Sion, que aderiu à paralisação e no bairro Dona Clara, próximo ao Anel Rodoviário.

O secretário-geral do Sintect-MG, Pedro Paulo Pinheiro, o Pepê, que coordenou a assembleia desta quarta-feira,  os CCEs do Sion e do bairro Dona Clara aderiram à greve, que também vem crescendo no interior do Estado. “A paralisação se ampliou em Januária, Pirapora, Teófilo Otoni, Nova Serrana e Governador Valadares. Trabalhadores e trabalhadoras de cidades como Varginha, Três Corações e Três Pontas também aderiram. No Triângulo e Juiz de Fora ainda não fizeram assembleias, mas, quando forem realizadas, devem também parar. A greve vem pipocando nas cidades-pólo e isto está incomodando muito a empresa. Em estados como Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Paraná o movimento está muito forte”, disse Pedro Paulo.

“A empresa quer economizar com a transferência do pagamento do plano de saúde para trabalhadores e trabalhadoras. Ela é a única gestora do Correio Saúde desde sua criação, em 1985. Não vamos aceitar que a empresa, à luz do dia, descumpra um acordo e crie um plano privado”, afirmou o secretário-geral do Sintec-MG.

Pedro Paulo Pinheiro informou que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) negou o pedido de liminar para garantia de manutenção de 80% do efetivo operacional trabalhando feito pela empresa. A ECT queria que o TST considerasse a greve abusiva. O ministro presidente do tribunal, Carlos Alberto Reis de Paula, indeferiu o pedido. Ele determinou que a ação cautelar fosse distribuída à Seção Especializada de Dissídios (SDC) por entender que, para tomar qualquer decisão, é necessário analisar o que foi decidido na sentença normativa do dissídio coletivo de 2013, bem como as alterações realizadas pela ECT no plano de saúde.

CUT

Greve dos Correios se fortalece em Minas Gerais