Satãder quer interferir nas eleições Satãder quer interferir nas eleições

Diversos, Notícias | 12 de agosto de 2014

O banco Santander é chamado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo de SATÃDER, porque é um dos bancos que mais demite funcionários no Brasil. Os bancos são sempre os campeões em demitir trabalhadores, mas, o SATÃDER, consegue superar todos os seus concorrentes. Algumas demissões têm requintes de crueldade, como as que foram feitas em 2012. O SATÃDER demitiu 1.153 bancários na véspera do Natal, fazendo milhares de famílias passarem as festas de fim de ano vivendo o drama do desemprego.

Ele venceu o leilão de venda do banco do Estado de São Paulo, Banespa, feito por FHC em 2000. Com a entrega do maior banco estadual ao SATÃDER, criou-se um regime de terror entre os antigos funcionários do Banespa. O banco iniciou um processo de demissões, obrigando os bancários a aderir ao PIDV, o mesmo modelo usado pela Petrobrás. Milhares foram postos na rua. É bom lembrar que eram tempos de alta taxa de desemprego, e quem era demitido dificilmente conseguia outro trabalho. Quem conseguia, era em condições piores que o anterior.

Atualmente, o SATÃDER é o campeão em reclamações no Banco Central. As principais reclamações dos clientes são débitos não autorizados e cobrança irregular de tarifas.
A sede do banco é na Espanha, que atravessa uma grande crise econômica. O país foi obrigado pela Alemanha e França a aplicar o receituário neoliberal. Como consequência, está com milhares de trabalhadores desempregados, falências de empresas e recessão.

O Brasil representa 25% do lucro mundial do SATÃDER. Isto é: um quarto do que ele lucra em todo mundo. Na Espanha, sua sede, o lucro é de 8%. Portanto, é no Brasil que está a “mina de ouro” do banco espanhol. Mas, mesmo assim, ele quer mais lucro para enviar cada vez mais dólares para o exterior. Por isso faz suas apostas na derrota de Dilma. O banco não tomou prejuízo, ao contrário, teve muito lucro. Mas, os bancos brasileiros (inclusive o SATÃDER) querem mais e, portanto, são contra a reeleição de Dilma.

O SATÃDER NA POLÍTICA

Os bancos são contra o governo da presidenta Dilma. Seus economistas sempre têm previsões apocalípticas para a economia brasileira. A imprensa, como porta voz desse setor, dá destaque às “previsões” negativas feitas por “analistas” ligados ao setor financeiro.

Entretanto, nenhum banco ou instituição financeira, teve a “cara de pau” do SATÃDER, de enviar um comunicado aos seus correntistas de alta renda, alertando para o “perigo da reeleição de Dilma”. Além disso, pede que seus investidores compareçam junto ao seu gerente para estudar “investimentos de proteção ao seu dinheiro caso ela seja reeleita”.

Não podemos aceitar que o sistema financeiro queira interferir nas escolhas eleitorais do povo brasileiro. Os bancos são empresas poderosas que controlam, praticamente, toda a economia. O povo brasileiro não pode permitir que um setor já tão forte e influente determine em quem devemos votar para atender seus interesses. Além de controlar o dinheiro, querem ter o controle do sistema político e até a Presidência da República.

É bom lembrar que os donos do SATÃDER, na Espanha, sempre estiveram coligados com o ditador Francisco Franco. Ele foi um dos mais repressores e sanguinário que passou pelo poder. No Brasil, eles parecem preferir a companhia da direita, tipo PSDB, mais de acordo com seu “figurino” fascista.

NESSAS ELEIÇÕES, VAMOS DIZER NÃO AO SATÃDER, AOS BANCOS, AO NEOLIBERALISMO E AO AECIOPORTO.

Sindipetro/MG

Satãder quer interferir nas eleições