Ato contra privatizações leva milhares de pessoas ao centro do Rio Ato contra privatizações leva milhares de pessoas ao centro do Rio

Diversos, Notícias, Petroleiros na Mídia, Tribuna Livre | 3 de outubro de 2017

ato03101O dia 3 de outubro, data de comemoração do aniversário da Petrobrás, foi marcado por um grande ato contra as privatizações das empresas públicas brasileiras no centro do Rio de Janeiro. Cerca de 50 mil pessoas participaram da manifestação em defesa da soberania nacional.

O ato também contou com a presença do ex-presidente Lula, que destacou a importância da Petrobrás para a economia do País e a soberania nacional.

‘Não é possível abdicar da Petrobrás, da Indústria Naval, Eletrobrás, BNDES, Banco do Brasil, Caixa, Casa da Moeda… Essa gente está vendendo tudo porque não tem competência. Se venderem tudo, o país estará abrindo mão de instrumentos para a política econômica. A Petrobrás é uma indústria de desenvolvimento […] não é apenas o fura poço, é uma empresa de incentivo tecnológico e pesquisa. Por isso atingimos a autosuficiência, e por isso fomos buscar petróleo a mil metros de profundidade, onde encontramos a maior reserva de petróleo do século XXI’’, afirmou Lula.

O senador Lindbergh Faria (PT) e artistas, como a atriz Bete Mendes, também estiveram no protesto.

Passeata

O ato começou ainda pela manhã com uma concentração em frente a Eletrobras, cuja privatização já foi anunciada pelo governo golpista de Michel Temer. Por volta de 12h, os trabalhadores saíram em passeata e, na linha de frente da mobilização estavam petroleiros de todo o País, que denunciaram a venda de ativos da Petrobrás. A caminhada percorreu as avenidas Getúlio Vargas, Rio Branco e República do Chile. O ato foi encerrado por volta de 14h na sede da Petrobrás. Além dos petroleiros e eletricitários, trabalhadores da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil e BNDES, e funcionários dos Correios também participaram da manifestação.

O ato também contou com o apoio de militantes e lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), do Levante Popular da Juventude, da União Nacional dos Estudantes (UNE), da Plataforma Operária e Camponesa de Energia, de diversas centrais sindicais, das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e também de milhares de integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que realizam nesta semana o 8º Encontro Nacional, no Rio de Janeiro.