Assembleias começam a avaliar proposta de Acordo Coletivo Assembleias começam a avaliar proposta de Acordo Coletivo

Diversos, Notícias, De que lado você está?, Tribuna Livre | 19 de dezembro de 2017

sp-19-12Conforme indicativo do Conselho Deliberativo da FUP, os sindicatos iniciaram as assembleias nesta terça-feira (19), nas bases do Sistema Petrobrás para submeter à categoria a proposta conquistada no processo de negociação.

As assembleias prosseguem ao longo da semana, onde, além de avaliar a proposta de Acordo Coletivo, que preserva os direitos essenciais conquistados ao longo dos últimos anos, os petroleiros também estão se posicionando sobre a manutenção do estado de greve e de assembleias permanentes contra a privatização do Sistema Petrobrás.

Para a direção da FUP e de seus sindicatos, a manutenção das principais conquistas dos petroleiros no atual cenário de golpe de Estado, que destrói os direitos da Classe Trabalhadora, é uma grande vitória da categoria. “Nenhum direito deixou de existir com esse acordo conquistado, e isso é uma grande vitória. O auxílio à alimentação e o benefício farmácia tiveram mudanças. Mas continuam efetivos e muito acima de qualquer comparação”, destaca o assessor jurídico da FUP, Normando Rodrigues.

Ele explica que as 104 cláusulas do acordo conquistado equivalem às 185 do acordo anterior. No BNDES, por exemplo, o Acordo Coletivo de Trabalho tem 40 cláusulas. Na Vale do Rio Doce, são 41 cláusulas. Na Ambev, 33 cláusulas. No ABC paulista, a Convenção Coletiva de Trabalho das Montadoras tem 81 cláusulas. O Acordo dos Metalúrgicos de São José dos Campos tem 86 cláusulas. A Convenção Coletiva de Trabalho dos Bancários do setor privado tem 71 cláusulas e a dos bancários do Banco do Brasil, tem 72 cláusulas.

“Os que dizem que a FUP abriu mão de direitos são os mesmos que diziam que o Acordo Coletivo com 185 cláusulas era rebaixado, sendo que nada fizeram para conquistar as 85 cláusulas a mais que a FUP garantiu, após 2003 quando o ACT tinha 100 cláusulas”, alerta o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

“São os mesmos que apoiaram o golpe e sequer fizeram a autocrítica de seus erros, apesar de todo o caos e destruição de direitos que a classe trabalhadora e o povo brasileiro vivem em função do golpe que eles apoiaram”, destaca. “Esse grupo nunca teve compromisso com nada. Para eles, quanto pior, melhor. Por isso, indicam a rejeição da proposta conquistada pela FUP pois são inconsequentes a ponto de torcerem para que a categoria fique sem Acordo Coletivo, exposta aos efeitos da Contrarreforma Trabalhista, porque greve, que é bom, eles nunca fazem”, afirma Zé Maria.

Quadro parcial das Assembleias

Sindipetro Amazonas
Proposta – aprovação 20; rejeição – 01; abstenção 01
Estado de greve – aprovação 16; rejeição 02; abstenção 03

Sindipetro Pernambuco/Paraíba
Proposta – aprovação de 93%
Estado de greve – aprovação 100%

Sindipetro Bahia
Proposta – aprovação 94; rejeição 25; abstenção 07

Sindipetro Espírito Santo
Proposta – aprovação 43; rejeição 158; abstenção 26
Estado de greve – aprovação 222; rejeição 00; abstenção 05

Sindipetro Minas Gerais
Proposta – aprovação 34; rejeição 56; abstenção 05
Estado de greve – aprovação 93; rejeição 00; abstenção 01

Sindipetro Unificado de São Paulo
Proposta – aprovação 70%

Paraná/Santa Catarina
Proposta – aprovação 71; rejeição 49; abstenção 07
Estado de greve – aprovação 110; rejeição 00; abstenção 03

Sindiquímica PR
Proposta – aprovação 50; rejeição 00; abstenção 00
Estado de greve – aprovação 50; rejeição 00; abstenção 00

Sindipetro Rio Grande do Sul
Proposta – aprovação 80; rejeição 43; abstenção 06

OBS: os demais sindicatos da FUP ainda não divulgaram o resultado parcial das assembleias

Com informações dos sindicatos filiados

Assembleias começam a avaliar proposta de Acordo Coletivo