Enterro da Reforma da Previdência é conquista da classe trabalhadora Enterro da Reforma da Previdência é conquista da classe trabalhadora

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 9 de março de 2018

A suspensão temporária dos debates da Reforma da Previdência no Congresso é resultado da mobilização e da luta dos brasileiros contra o fim da Previdência pública.
Ainda em 2016, quando o governo golpista de Michel Temer começou a falar em aumentar a idade mínima da aposentaria para 65 anos, acabar com a aposentadoria rural, exigir pelo menos 49 anos de contribuição e reduzir o valor da pensão por morte, o País começou a se mobilizar.
Trabalhadores saíram às ruas incontáveis vezes para defender seu direito de se aposentar. Em Minas, tivemos atos e greves grandiosos, inclusive com grande participação de petroleiros, no dia 15 de março, 28 de abril, 21 de maio, 30 de maio, 7 de setembro e 5 de dezembro de 2017.
Também em fevereiro deste ano os trabalhadores foram às ruas contra a votação no Congresso Nacional do projeto que muda as regras da aposentadoria pública.
A categoria petroleira, junto com trabalhadores de todo o País, também participaram da ocupação de Brasília em maio do ano passado, quando 150 mil pessoas tomaram a capital federal e seguiram rumo ao Congresso para tirar da pauta as reformas do governo.
A pressão do povo sobre a classe política foi tanta que Temer não conseguiu os votos necessários para aprovação do texto – que chegou a ser alterado algumas vezes, mas ainda assim não passou.
O governo então decretou intervenção militar no Rio, de modo a sepultar de vez sua proposta de alteração da Previdência – uma vez que, sob intervenção, o Congresso está impedido de votar qualquer alteração na Constituição Federal.
Porém, o Executivo certamente não desistiu das mudanças na aposentadoria. Por isso, é preciso que a classe trabalhadora se mantenha atenta e mobilizada, pois, após as eleições de outubro, esse assunto deve voltar a ser o centro das atenções do governo ilegítimo.

Enterro da Reforma da Previdência é conquista da classe trabalhadora