Editorial – Acidentes: a face mais cruel  da privatização Editorial – Acidentes: a face mais cruel da privatização

Opinião | 14 de dezembro de 2018

acidente-fatal_plataforma_bacia-de-camposdente14Apesar da incrível capacidade de resistência da categoria petroleira, não há dúvidas de que vivenciamos mais um ano muito difícil. Como em outros momentos da nossa história recente, retrocessos políticos têm gerado consequências graves para o dia a dia de petroleiras e petroleiros, com claro prejuízo para nossas condições de trabalho.

Assim como na década de 1990, a pressão pela privatização da Petrobrás tem causado muito receio aos trabalhadores, angustiados pelo futuro cada vez mais incerto. Entretanto, ao longo de 2018, assistimos ao retorno daquela que talvez seja a face mais cruel desse processo de sucateamento e entrega da Petrobrás: os grandes acidentes.

Até dezembro deste ano, além das quatro mortes decorrentes de acidentes na Petrobrás – todos envolvendo trabalhadores terceirizados -, vivenciamos uma série de outras ocorrências com alto potencial para se tornarem grandes tragédias. Grandes incêndios e explosões na Replan e, recentemente, na Refinaria Abreu e Lima, foram alertas explícitos para nossa categoria.

Em Minas Gerais, o gravíssimo acidente no setor de Utilidades da Regap, em agosto deste ano, simboliza bem como o processo de sucateamento e o desprezo dos gestores da Petrobrás são ameaças reais à nossa integridade física. Justamente por isso, as demandas e lutas por maior segurança em nossas unidades devem assumir um significado ainda mais prioritário para nós: estamos falando de vidas!

Por uma infeliz coincidência, completamos, neste mês de dezembro, 20 anos de um dos mais trágicos acidentes na Regap, quando um incêndio de grandes proporções resultou na morte de cinco trabalhadores. Naquele momento, a Petrobrás também vivia um intenso processo de sucateamento visando a privatização da empresa. É nosso dever cobrar responsabilidade da gestão da Petrobrás para que não vivenciemos novas tragédias, tão anunciadas quanto em 1998.

Editorial – Acidentes: a face mais cruel  da privatização