Representante dos trabalhadores fala sobre desafios no Conselho da Petrobrás Representante dos trabalhadores fala sobre desafios no Conselho da Petrobrás

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 18 de janeiro de 2019

Após mais de 60 dias de vacância, a vaga para o representante dos trabalhadores no Conselho de Administração (CA) foi ocupada por Danilo Silva, petroleiro da base da Replan e ex-diretor do Sindipetro Unificado de São Paulo. Nesta entrevista ao sindicato, ele falou com o jornalista Norian Segat sobre as expectativas e projetos para o mandato que se encerra em abril de 2020.

Segundo o novo conselheiro, que tomou posse no dia 3 de janeiro, o País vive uma conjuntura difícil, com um governo que tende a ser mais duro nas relações com os trabalhadores, o que exigirá mais resistência.“O mandato do CA pode ajudar a fazer esse debate político, mas não podemos esquecer que nosso campo está no chão de fábrica, na porta dos prédios administrativos e temos que saber exercer e aproveitar todos esses espaços”, afirma Danilo.
Leia a entrevista na íntegra:

Como você analisa a demora para a sua posse?

Acho que a Petrobrás errou, ela poderia ter atendido à nomeação muito mais rapidamente, uma vez que a dúvida suscitada [a participação de Danilo no conselho de outra empresa] era uma situação que tinha casos idênticos e até mais complexos no Conselho. O ruim é que, nesse tempo, algumas medidas importantes foram tomadas, como a aprovação do Plano de Negócios, na qual poderíamos colaborar com uma visão mais preocupada com os empregados do que apenas com o mercado. Agora, é assumir o mandato e dialogar daqui pra frente buscando os melhores interesses da companhia.

Como você pretende pautar sua atuação no CA?

Pretendo pautar pela transparência, divulgando o que for possível dentro das regras da legislação e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), pautar pelo diálogo constante com os trabalhadores, com os demais membros do Conselho e com a Diretoria da empresa na busca de caminhos e soluções, mas também fazer o contraponto em relação a questões como a venda de ativos, por entender que isso é ruim e compromete a geração de caixa em longo prazo. Acredito que é um equívoco a venda do refino, pois enfraquece a companhia e constrói monopólios regionais de empresas privadas; se querem entrar no mercado, isso é bom, mas que façam suas próprias refinarias e disputem mercado com a Petrobrás. É como se a Coca Cola deixasse de vender seu produto por achar que as pessoas devem tomar Pepsi, isso não faz o menor sentido.

Você assume um mandato que está praticamente na metade, com uma nova gestão na empresa e um novo governo. O que ainda é possível ser feito?

O mandato se encerra em abril de 2020, acho que é possível discutir nesse tempo questões importantes. Os mandatos do Deyvid [Deyvid Bacelar, coordenador do Sindipetro Bahia e diretor da FUP] e do Zé Maria [José Maria Rangel, atual coordenador da FUP] foram de apenas um ano e foram consistentes. Muitas questões importantes, em relação ao refino e ao pré-sal, ainda não foram apreciadas pelo CA, há muita coisa para acontecer. Com o novo governo podem ocorrer mudanças na política da Petrobrás, algumas muito ruins para os trabalhadores e, por isso, temos de estar atentos. Pretendo fazer um processo de aproximação do trabalhador com o Conselho para que, nas próximas eleições, se dê mais valor a esse espaço, com mais gente participando, mais candidaturas, mais debates.

Como se dará a comunicação entre você e os petroleiros, como a categoria poderá acompanhar seu trabalho?

Sempre tendo como perspectiva o que pode e não pode ser divulgado, pretendo fazer um grande trabalho de conversas e debates, utilizar as redes sociais, prestar contad dos gastos, do uso da remuneração do Conselho para a contratação de assessorias. Vamos ativar um blog para colocarmos textos mais técnicos e internamente usar a comunidade do ‘Conecte’ para que as pessoas possam ter acesso a informações, sempre seguindo a legislação. Quero, também, visitar o maior número possível de unidades da Petrobrás para conversar olho no olho com os petroleiros e petroleiras. Mas, desde já deixo um telefone de contato para falar comigo, é o 19 99560-2177. O diálogo e a troca de ideias serão essenciais para a efetividade desse mandato.

Assista também a o bate-papo com Danilo, no último dia 12, em seu perfil no Facebook:

 

 

Representante dos trabalhadores fala sobre desafios no Conselho da Petrobrás