Três anos sem Cabral Três anos sem Cabral

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 1 de fevereiro de 2019

Em uma manhã como esta, no dia 31 de janeiro de 2016, um petroleiro não retornou pra casa depois da jornada de trabalho. O técnico de operação Luiz Augusto Cabral perdeu a sua vida na Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro, ao cair dentro do TQ-7510, com óleo em uma temperatura a quase 80ºC. E seu corpo só foi encontrado após o esvaziamento do tanque que durou mais de dois dias.

Os gerentes a época, foram omissos e culparam o próprio trabalhador por sua morte. Estes, apenas foram transferidos da Reduc sem sofrer nenhuma punição. A direção do Sindipetro Caxias não descansou até que as atividades em cima dos tanques fossem interditadas e que o SPIE (Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos) fosse caçado pelo Ministério do Trabalho e Emprego pela criminosa gestão. Além das várias multas que foram aplicadas à Refinaria por falta de manutenção.

Em 2018, a Petrobrás foi finalmente reconhecida como culpada da morte do petroleiro Luiz Cabral. No dia 17 de maio, a juíza do trabalho condenou a empresa ao pagamento de R$ 500.000 (quinhentos mil reais) de indenização à família do Técnico de Operação. A empresa ofereceu R$80.000 (oitenta mil reais) para encerrar o processo, mostrando que o mais importante para a diretoria/gerência da empresa é ignorar as suas falhas e perdurar o sofrimento da família do Cabral em um processo judicial com uma negociação rasteira de barateamento da vida do petroleiro.

Hoje a direção do Sindipetro Caxias junto com os trabalhadores continuam lutando para que haja fiscalização, manutenção dos equipamentos, aumento de efetivo na fábrica e que todos retornem em segurança para suas famílias, todos os dias.

CABRAL, PRESENTE!

Via Sindipetro Caxias