Petrobrás rejeita amigo de Bolsonaro para cargo de gerência Petrobrás rejeita amigo de Bolsonaro para cargo de gerência

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 14 de fevereiro de 2019

Atendendo a normas internas, a Petrobrás rejeitou nesta quinta-feira (14) a indicação de um amigo pessoal de Jair Bolsonaro (PSL), para a Gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa. A indicação havia sido feita em janeiro pelo próprio presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

Carlo Victor Guerra Nagem é capitão-tenente da reserva da Marinha e funcionário da Petrobrás há 11 anos. No entanto, ele não poderia assumir a função pois, para ocupar um cargo de gerência na estatal, o indicado tem que ter pelo menos dez anos de experiência gerencial em empresa de grande porte – o que não é o caso do amigo de Bolsonaro.

O caso foi amplamente denunciado pela imprensa e também pelos sindicatos de petroleiros. A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e o coordenador da entidade, José Maria Rangel, ingressaram com ações na Justiça questionando a indicação e denunciando irregularidades com base no Plano de Cargos e Remuneração (PCR) – implantado de forma unilateral pela Petrobrás no ano passado.

A partir das normas do PCR, um profissional de nível pleno, como é o caso de Nagem, jamais poderia ser alçado a um cargo gerencial que exige profissionais de nível sênior ou máster – triplicando assim o seu salário atual.

Leia também: