Um ano da morte de Marielle Franco: quem mandou matar? Um ano da morte de Marielle Franco: quem mandou matar?

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 14 de março de 2019

Quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes e por quê? A dois dias de completar um ano da morte da vereadora do PSOL pelo Rio da Janeiro e de seu motorista, a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio prenderam dois suspeitos de participação no crime político: o policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46.

Segundo denúncias, Lessa disparou os tiros que mataram Marielle e Anderson. Já Queiroz estaria dirigindo o veículo utilizado na execução. A prisão de ambos, às vésperas do crime completar um ano, reforça uma das suspeitas investigadas: de que há envolvimento de milícias no crime. No entanto, a pergunta que precisa ser respondida é: qual foi a motivação do assassinato e a mando de quem?

Nascida na Favela da Maré, Marielle foi a quinta vereadora mais votada no Rio de Janeiro em 2016. Ela denunciava as arbitrariedades das polícias, especialmente contra a população pobre e negra, e integrava a comissão criada da Câmara do Rio para monitorar os trabalhos da intervenção militar que, à época, havia sido instaurada na capital fluminense.

Antes disso, Marielle havia trabalhado como assessora parlamentar do então deputado estadual do Rio e hoje deputado federal, Marcelo Freixo (PSOL). Freixo presidiu em 2008 a CPI das Milícias, cujo relatório final pediu o indiciamento de mais de 200 políticos, policiais, agentes penitenciários, bombeiros e civis. Marielle trabalhou no relatório final da CPI.

Marielle Franco, mulher negra lésbica e com origem na favela, era voz de quem não é ouvido nos espaços de poder. Sua atuação em defesa dos direitos humanos e da população marginalizada deixou um importante legado de luta e resistência para a política brasileira.

Leia também: