PBio de Montes Claros completa 10 anos em meio a incertezas PBio de Montes Claros completa 10 anos em meio a incertezas

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 5 de abril de 2019

Sob constantes ameaças de privatização ou fechamento, a Usina de Biodiesel de Darcy Ribeiro, em Montes Claros, no norte de Minas, completa dez anos neste sábado (6). Ela faz parte um dos projetos mais audaciosos da Petrobrás – a Petrobrás Biocombustível – PBio – que tem sido sistematicamente abandonado pelos governos brasileiros desde o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff. Inclusive, poucos meses após o afastamento da presidenta, sob a gestão do governo golpista de Michel Temer, a Petrobrás anunciou a saída do mercado de biocombustíveis e chegou a fechar a planta de Quixadá (Ceará), mas a unidade de Montes Claros e Candeias (BA) ainda permanecem em funcionamento.

A Usina de Biodiesel de Darcy Ribeiro foi inaugurada pelo presidente Lula em 6 de abril de 2009 – um ano depois da criação da PBio (que aconteceu em junho de 2008). Naquela época, o investimento em biocombustíveis era tido como uma reafirmação do compromisso da Petrobrás enquanto empresa estatal com o desenvolvimento associado à responsabilidade socioambiental – o que se perdeu em tempos mais recentes. Também era objetivo da empresa desenvolver tecnologias para levar o Brasil à liderança mundial na produção de biocombustíveis.

Segundo o ex-coordenador da FUP, José Antônio de Moraes, a Petrobrás “durante os governos populares” servia ao povo brasileiro e cumpria um importante papel em relação ao meio ambiente e às gerações futuras.

“Na área específica de energia, por mais divergências que possam ter entre as nações e as diversas visões econômicas e políticas, há um consenso no que se refere à insustentabilidade da matriz energética mundial hoje. Foi nesse contexto que a Petrobrás passou a diversificar seus investimentos em outras fontes de energia, notadamente em biocombustíveis através da estruturação das usinas de biodiesel pelo Brasil afora”.

Para além disso, os investimentos em nas usinas biodiesel também promoveram desenvolvimento em regiões do interior do País. “O Brasil é uma nação com uma imensa fronteira agrícola – certamente a mais importante do mundo – e também de uma população ainda muito carente e que busca seu sustento econômica no campo. Então, nesse sentido, também o investimento no biodiesel foi fundamental pois criou novas fontes de renda para as famílias brasileiras com geração de emprego e renda”.

Ele afirma ainda que se a Petrobrás fechar as usinas, como já fez em Quixadá, os prejuízos para as famílias do campo e para as futuras gerações são incalculáveis. “Essa mudança de rumos da empresa é muito triste para nossas crianças e para quem vier depois. É preciso que realmente nos mobilizemos para que a Petrobrás retome seu destino histórico e de compromisso com o futuro do nosso País”.