Ato do Sindipetro-BA denuncia demissão sem justa causa de petroleiro concursado Ato do Sindipetro-BA denuncia demissão sem justa causa de petroleiro concursado

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 9 de abril de 2019

Luiz Otávio Ramos Gavaza: oito anos de empresa; técnico em administração; nenhuma advertência; descrito pelos seus colegas do setor de finanças da Petrobrás, na Bahia, como uma pessoa de fácil convivência, proativa e com inteligência acima da média. Apesar de todos os requisitos positivos, Gavaza foi demitido pela Petrobrás, sem justa causa, no último dia 29 de março.

Em um ato organizado pela diretoria do Sindipetro Bahia, na manhã desta terça-feira (9), em frente ao prédio do Ediba, na Pituba, contra a demissão ilegal do empregado, muitos colegas de Gavaza saíram em sua defesa e se mostraram atônitos com o acontecido pois, segundo eles, a própria gerência confessou que não houve um ato determinado que justificasse a demissão do trabalhador.

Para o empregado, o botão que acionou a sua demissão foi o fato de ter prestado queixa na ouvidoria da empresa contra o seu gestor direto por assédio moral e por agir de forma autoritária com sua equipe.

No lugar de procurar se informar sobre o que estava acontecendo no setor de finanças, a Petrobrás levou em conta apenas a versão da gerência e instalou uma comissão para analisar se o trabalhador deveria ser demitido ou não.

Segundo Gavaza, diante do impasse, outra gerência se mostrou aberta para absorver seus serviços, além de ele próprio, apesar de não ter feito nada de errado, se mostrar disposto a mudar sua postura para se encaixar naquilo que eles entendiam como certo. Nada adiantou. Mesmo sem justa causa, Gavaza, um trabalhador concursado, foi demitido.

Solidariedade e denúncias de perseguição e pressão

Durante a mobilização em frente ao Ediba, que durou cerca de quatro horas, houve muitos relatos de trabalhadores a respeito do clima de pressão dentro da empresa e de assédio para que haja adesão imediata ao Mobiliza. De acordo com eles, o RH (Recursos Humanos) da Petrobrás também entrou na pressão para que os trabalhadores aceitem se mudar para outras unidades da Companhia, no Rio de Janeiro.

O diretor da FUP e do Sindipetro Bahia, Deyvid Bacelar, conclamou a categoria a se manter unida. “Hoje estão demitindo um companheiro sem justa causa, amanhã, pode ser qualquer um de vocês”.

Para o coordenador do Sindipetro, Jairo Batista, a demissão de Gavaza foi a forma que a empresa encontrou de assustar e pressionar os trabalhadores para que façam o que ela quer. “Foi uma afronta, uma chantagem, um assédio moral coletivo e nós não vamos aceitar isso. O sindicato vai reverter essa demissão pelas vias jurídicas, políticas e através de mobilizações, que vão precisar contar com a presença de toda a categoria”.

Para o também diretor do Sindipetro, Radiovaldo Costa, esse ano, seguramente, será um dos mais difíceis para a categoria petroleira. “Será um divisor de águas e temos que estar unidos e fortalecidos para garantir a manutenção de nossos direitos no Acordo Coletivo de Trabalho e a readmissão do companheiro, e a nossa força passa pelo fortalecimento da nossa entidade sindical, que é o nosso porto seguro e instrumento de luta”.

Ao final do ato, muitos trabalhadores pediram as fichas de filiação para se associarem ao sindicato. Há esperança e luz no fim do túnel.

Leia também: