Petros divulga comunicado ameaçando beneficiários do PP-1 Petros divulga comunicado ameaçando beneficiários do PP-1

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 7 de maio de 2019

A Diretoria Executiva da Petros divulgou um comunicado na última terça-feira (30) em que ameaça os beneficiários do Plano Petros 1 (PP-1) ou Plano Petros do Sistema Petrobrás (PPSP). No documento, a Fundação afirma que, em função das liminares que suspenderam a cobrança de aproximadamente 74% do total de recursos previstos no Plano de Equacionamento do Déficit, não terá dinheiro para pagar mais do que 11 anos dos benefícios dos participantes não repactuados.

“Um estudo elaborado pela Gerência de Gestão de Riscos e Conformidade da Fundação adverte que, se mantidas as restrições atuais – cumprimento de aproximadamente 26% do PED -, o PPSP-NR só terá recursos para pagar seus aposentados e pensionistas por cerca de 11 anos, ou seja, até 2030. No mesmo cenário, os recursos do PPSP-R se esgotariam até 2033”, diz o comunicado.

O PED foi aprovado em setembro de 2018 e é destinado ao equacionamento do déficit de R$ 27,7 bilhões acumulado pelos PPSPs até 2015. Esse plano foi questionado na Justiça pelos sindicatos por equacionar a dívida pelo teto (valor máximo) – o que não é usual na área da previdência complementar que geralmente equaciona pelo mínimo tendo em vista que se a economia voltar a crescer o déficit cai. Assim, a forma como o PED foi aprovado pela diretoria da Petros penaliza demais os participantes dos planos, comprometendo suas rendas familiares.

O Sindipetro/MG, bem como a Federação Única dos Petroleiros (FUP), defendem o equacionamento do déficit pelo mínimo – que é, inclusive, o que determina a maior parte das liminares judiciais conquistadas pelos trabalhadores. Isso demandaria um novo plano de equacionamento pelo valor mínimo – o que a Petros se nega a fazer.

Além disso, os sindicatos questionam alguns itens do déficit que a fundação também não sabe explicar. Por isso, as entidades representativas da categoria cobram da Petros já há dois anos uma auditoria dessa dívida – o que a empresa também tem se negado a fazer.

Diante disso, o Sindicato repudia que agora a Petros ameace os participantes de ficarem sem suas aposentadorias, quando não adotou nenhuma das medidas possíveis para evitar essa situação. O Sindicato também reforça que tem uma proposta alternativa ao PED aprovado pela diretoria da instituição e que só está …. para ser aprovado e implantado. Essa proposta é mais justa com os participantes porque compromete menos da renda familiar dos beneficiários.