Petrobrás apresenta proposta de ACT que reforça venda da empresa Petrobrás apresenta proposta de ACT que reforça venda da empresa

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 23 de maio de 2019

“Nenhum direito a menos”. Esse foi o grito dos petroleiros durante a reunião de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2019-2021, que aconteceu nesta quarta-feira (22), no Rio de Janeiro. Em mesa única, com representantes da FUP e FNP, a Petrobrás apresentou sua contraproposta, que mal dá para considerar como tal, pois não passa de um documento que retira direitos e visa acabar com o movimento sindical.

Para o coordenador da FUP, José Maria Rangel, esta é mais uma etapa da privatização. “Ela quer pavimentar o caminho para a privatização da empresa. Que é retirar os nossos direitos e também praticamente aniquilar o movimento sindical. Por isso nós temos que resistir e participar das assembleias rejeitando essa proposta com disposição de luta, que será necessário”, comenta.

O indicativo é de rejeição

Como a empresa apresentou a contraproposta antecipadamente, sem sequer negociação com os sindicatos, invertendo a ordem do processo, ficou decidido pelos representantes dos trabalhadores que os petroleiros não comparecerão nas reuniões que aconteceriam nos dias 27 e 28/05, pois a postura da empresa na primeira rodada inviabiliza qualquer tipo de conversa sem que antes sejam realizadas as assembleias com a categoria.

“Uma proposta absurda”, foi como classificou o diretor da FNP, Adaedson Costa. “Essa é uma pauta da alta direção da empresa para acabar com os direitos dos trabalhadores e vender o refino e tudo que for possível a preço vil”. A contraproposta foi distribuída para a categoria pela empresa ao mesmo tempo em que acontecia a reunião com as entidades sindicais, em uma demonstração clara de como pretendem gerir a Petrobrás nos próximos anos: desrespeitando os trabalhadores, e descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho.

 

Sendo assim, até o dia 6 de junho acontecerão assembleias em todas as bases para rejeitar essa proposta, demonstrando a disposição de luta da categoria. A proposta tem que ser uma só: NENHUM DIREITO A MENOS.

Vai ter resistência

Ainda na mesa de negociação, o coordenador da FUP, fez questão de lembrar aos presentes que quem construiu a Petrobrás foram os trabalhadores. “Não vamos ver isso acontecer e ficar quietos. Vai ter resistência. Porque nós todos construímos essa empresa com o objetivo comum de uma Petrobrás indutora do desenvolvimento nacional. E provamos que isso é possível, tanto que descobrimos o pré-sal”.

Entre os dias 23 e 26 de maio, os petroleiros dos sindicatos filiados à FUP estarão em Minas Gerais para a VIII PlenaFUP, onde serão traçadas estratégias e um calendário de luta contra a privatização e em defesa dos direitos e da liberdade sindical, que será apresentado para a categoria. Por isso é muito importante a participação de todos e todas nas assembleias do mês de junho. Juntos somos mais fortes.

Veja na íntegra a Proposta da Petrobrás para o ACT 2019:

Fonte: FUP