Castello Branco promete anúncio de venda da Regap até início de agosto Castello Branco promete anúncio de venda da Regap até início de agosto

Diversos, Notícias, De que lado você está?, Tribuna Livre | 12 de julho de 2019

Nem bem divulgou os “teasers” de venda das quatro refinarias do bloco Sul e Nordeste – Refinaria Abreu e Lima (RNest/Pernambuco), Refinaria Landulpho Alves (RLam/Bahia), Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar/Paraná) e Refinaria Alberto Pasqualini (Refap/Rio Grande do Sul) -, o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, já fala na privatização de outras quatro unidades de refino.

Segundo informações do jornal Valor Econômico, Castello Branco afirmou que pretende abrir formalmente o processo de venda das demais refinarias – Refinaria Isaac Sabbá (Reman/Amazonas), Refinaria Gabriel Passos (Regap/Minas Gerais), a Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor/Ceará) e a Unidade de Processamento de Xisto (SIX/Paraná) – até agosto deste ano. Ele reafirmou ainda, que pretende deixar integralmente o setor de transporte e distribuição de gás natural.

O presidente da estatal disse também que a previsão de conclusão da venda das oito refinarias é de dois anos e que já existem interessados potenciais na aquisição das unidades. “As ‘majors’ [grandes petroleiras globais] não estão interessadas, sabemos disso… Mas existem outros ‘players’ que já demonstraram interesse superficial e agora vamos ver um interesse efetivo dos compradores”.

Juntas, as oito refinarias representam 50% da capacidade de refino nacional, com 1,1 milhão de barris de petróleo processado por dia. Ou seja, com a privatização, a Petrobrás cortará metade de sua produção de derivados, que deverá ficar concentrada no Sudeste, especialmente no eixo Rio (Reduc) – São Paulo (Replan e Recap).

Na avaliação do diretor do Sindipetro/MG, Felipe Pinheiro, esse momento, mais do que nunca, exigirá mobilização da categoria. “No próximo período, temos o nosso ACT para defender e também a luta contra a privatização da Regap e das demais refinarias da Petrobrás. E a pergunta que unifica essas lutas e que o Sindicato faz agora para os petroleiros é: de que lado você está”?

Ação contra a privatização

Os sindicatos da FUP ingressaram com Ação Popular para barrar a entrega dos ativos depois do anúncio feito pela Petrobrás no dia 28 de junho. A ação cobra a anulação do acordo que a Petrobrás fez com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que autorizou a empresa a vender oito de suas 13 refinarias.
Segundo a assessoria jurídica dos sindicatos, o acordo com o Cade está repleto de irregularidades.

Veja abaixo informações divulgadas pela Petrobrás das unidades cujo processo de privatização já está aberto: