EDITORIAL – De que lado você está? EDITORIAL – De que lado você está?

Opinião, De que lado você está? | 12 de julho de 2019

Há dois anos, entrávamos num difícil processo de negociação do nosso Acordo Coletivo de Trabalho. Naquela ocasião, enfrentávamos o governo ilegítimo e golpista de Michel Temer, comprometido com a retirada de direitos dos trabalhadores, a criminalização dos movimentos sociais e a entrega do patrimônio público. Tratava-se de uma conjuntura desafiadora para a classe trabalhadora, especialmente para a categoria petroleira.

Pedro Parente, o queridinho do mercado e da grande mídia, já prometia o início do processo de venda do refino, mas ainda de forma tímida. Felizmente, a força da categoria e a capacidade de negociação dos sindicatos possibilitou a renovação do nosso Acordo. Meses depois, Parente cairia diante de um forte movimento contra o aumentos do preço dos combustíveis, resultado da sua tão irresponsável política de preços.

Se aquele cenário parecia crítico, o que temos vivenciado agora parece ainda mais assustador. A eleição de Jair Bolsonaro abriu a porteira para um projeto de privatização e destruição de direitos ainda mais intensificado e autoritário do aquele promovido pela gestão Temer. O que temos enfrentado e enfrentaremos, seja na luta pela preservação dos nossos direitos e empregos, seja na resistência contra a entrega do patrimônio brasileiro, não está descolado dessa disputa política ideológica mais ampla.

Não existem justificativas plausíveis para a privatização de estatais estratégicas e rentáveis como a Petrobrás, assim como não há argumentos que justifiquem o desmonte dos direitos da categoria petroleira. Não temos dúvida alguma que precisaremos ir para a greve para sermos ouvidos e respeitados por esse governo.

A atual gestão da Petrobrás, tal como a composição do governo Bolsonaro, não tem qualquer compromisso com a classe trabalhadora ou com o desenvolvimento e o futuro do País.

Está claro, portanto, que eles têm lado. Cabe agora perguntarmos para cada companheiro ao nosso lado nessa guerra: de que lado você está?