Em meio à negociação do ACT, Petrobrás impõe transferência a trabalhadores de Minas Em meio à negociação do ACT, Petrobrás impõe transferência a trabalhadores de Minas

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 10 de setembro de 2019

Em mais uma atitude intransigente e em meio à negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria no Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Petrobrás anunciou recentemente a transferência de trabalhadores do setor de Suprimentos de Bens e Serviços (SBS) de Minas Gerais, lotados na Refinaria Gabriel Passos (Regap).

A categoria foi informada durante uma apresentação feita pelos gestores da empresa na semana passada e, até o momento, o Sindipetro/MG ainda não foi sequer comunicado. A princípio, os trabalhadores devem ser realocados em unidades da empresa localizadas em São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

De acordo com a Petrobrás, eles terão um período de menos de 15 dias para escolherem entre um dos três estados – onde a companhia deve concentrar sua atuação – e devem ser transferidos até o final do primeiro trimestre de 2020. Ainda conforme a empresa, todo o setor de SBS será concentrado nesses estados e, por isso, o deslocamento de trabalhadores.

A medida faz parte da política de política de desmonte da Petrobrás, com fechamento de unidades, venda de refinarias e uma atuação cada vez mais focada na exploração e produção de petróleo e gás natural.

“A atual gestão da Petrobrás segue demonstrando que não tem qualquer compromisso e respeito com sua força de trabalho. Enquanto falam em boa fé negocial, em meio ao processo de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), a empresa anuncia a transferência de trabalhadores e fechamento de unidades. Isso tudo sem qualquer negociação com o Sindicato”, avalia o diretor do Sindipetro/MG, Felipe Pinheiro

Diante do caso, a pedido do Sindipetro/MG, a FUP solicitará uma reunião de urgência com a gerência do SBS da Petrobrás para cobrar esclarecimentos sobre a notícia.

A Regap teve sua privatização anunciada em abril deste ano pelo presidente da companhia, Roberto Castello Branco. A previsão da empresa é de que ainda este mês tenha início o processo de alienação da refinaria, juntamente com Refinaria Isaac Sabbá (Reman/Amazonas), a Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor/Ceará) e a Unidade de Processamento de Xisto (SIX/Paraná). Outras quatro – a RLam, a RNest, a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar/Paraná) e Refinaria Alberto Pasqualini (Refap/Rio Grande do Sul) já estão à venda.

Outras transferências

Além da transferência de trabalhadores do setor de SBS lotados na Regap, a Petrobrás anunciou na última semana a desocupação do edifício Torre Pituba (Ediba), em Salvador, e está desmobilizando o pessoal da Fábrica de Fertilizantes da Bahia (Fafen-BA). Segundo denúncia do Sindipetro Bahia, a medida faz parte da estratégia da empresa de deixar a região Nordeste e concentrar suas atividades nos três estados acima citados.

Só este ano, a Petrobrás já desocupou o Edisp, em São Paulo, e está saindo do Edifício Ventura, no Centro do Rio de Janeiro, e do Edifício Novo Cavaleiros, em Macaé. Em nota à imprensa, a empresa informou ainda que “estuda desocupar outras instalações no País”. Também anunciou o fechamento dos escritórios da companhia em Nova York e Tóquio.

Fonte: Sindipetro/MG