Gerência da Abreu e Lima coloca em risco a vida dos trabalhadores em troca de economia Gerência da Abreu e Lima coloca em risco a vida dos trabalhadores em troca de economia

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 12 de setembro de 2019

Já não bastassem as condições inseguras e insalubres que os trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, estão expostos. Já não bastasse a insegurança à qual estão expostos os trabalhadores de turno que se deparam com incontáveis e intermináveis invasões noturnas de ladrões. Já não bastasse o desconforto suportado pelos trabalhadores que chegam a trafegar por mais de quatro horas diárias numa van apertada e anti-ergonômica.

Não bastasse tudo isso, a gerência da refinaria, rasgando o Código de Ética da empresa nos itens 1 e 2 de “Respeito à vida em todas as suas formas”, e tentando fazer economia, tem submetido os trabalhadores a risco de vida real no trajeto do trabalho para casa. Nada do que foi relatado é novidade para a gestão da Refinaria. Todas essas ameaças são denunciadas pelo Sindipetro-PE/PB, que sempre cobra posicionamento da empresa a respeito dessas questões.

No último domingo (8), por volta às 2h, a van que fazia o transporte de retorno dos trabalhadores de turno foi atingida por dezenas de tiros na rodovia BR-232, no trecho entre as cidades de Moreno e Vitória-PE. Um operador levou um tiro de raspão no braço, e juntamente com o motorista, por muito pouco não foram atingidos fatalmente. E para piorar, a empresa ainda emite uma Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) questionável.

Em 30 de maio de 2017, outra van do turno já havia sido assaltada no bairro de Boa Viagem e o caso também foi denunciado pelo Sindicato à gerência, que preferiu colocar a culpa na segurança pública da cidade.

Pouco valor à vida

Em consonância com a política de sucateamento do atual presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, a gestão da Refinaria Abreu e Lima prefere lançar os trabalhadores à própria sorte, colocando a redução de custos em primeiro lugar. Por isso, para evitar casos como esses, o Sindicato sempre se posicionou contra o retorno ao trabalho às 3h da manhã, após o interstício, e criticou bastante a mudança unilateral do modelo do transporte na época.

É inadmissível que a gestão da refinaria continue desrespeitando o Código de Ética da Petrobrás, colocando vidas de trabalhadores em perigo em troca de redução de custos. O Sindipetro-PE/PB cobrará da gerência da unidade respostas sobre as condições inseguras à vida a que os trabalhadores estão expostos, seja no interior da refinaria ou no trajeto, e não hesitará em responsabilizar criminalmente os responsáveis caso haja uma tragédia.

Fonte: Sindipetro PE/PB