FUP formaliza junto ao TST pedido de continuidade das negociações do ACT FUP formaliza junto ao TST pedido de continuidade das negociações do ACT

Diversos, Notícias, De que lado você está?, Tribuna Livre | 27 de setembro de 2019

Um mês após a Petrobrás encerrar a mesa de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e entrar com pedido de mediação no Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) entende que ainda há o que discutir e avançar antes de encerrar o processo negocial – seja no TST ou diretamente com a empresa. Por isso, a Federação protocolou junto ao Tribunal um pedido de continuidade das negociações.

Veja aqui o documento protocolado pela FUP no TST

De acordo com o coordenador geral da FUP, José Maria Rangel, em vídeo divulgado na tarde de quinta-feira (26), desde que a negociação do ACT foi encaminhada para mediação no TST, em Brasília, a Petrobrás sequer se dispôs a realizar uma reunião bilateral – o que dificulta o processo de fechamento do acordo.

No dia 19 de setembro, durante a terceira reunião de mediação com a Vice-Presidência do TST, os petroleiros ressaltaram a importância da preservação do Acordo Coletivo. E foi a partir desse entendimento que o ministro Renato Lacerda apresentou uma proposta de acordo cujo teor foi anexado ao processo. O ministro ressaltou a seriedade e boa fé negocial das federações dos petroleiros e destacou a importância dos sindicatos na defesa do Acordo Coletivo de Trabalho.

Veja a proposta completa do TST aqui.

Após avaliação na reunião do Conselho Deliberativo da FUP, no último dia 24, a os dirigentes da Federação e dos sindicatos identificaram que:

1 – a proposta apresentada pelo TST não acompanha uma minuta, o que prejudica uma avaliação das assembleias, pois essa é uma tradição da categoria petroleira;

2 – a somatória dos votos das assembleias se dá com petroleiros e petroleiras da holding e subsidiárias, porém a proposta do TST não explicita qual tratamento será dado ao tema, bem como à Araucária Nitrogenados;

3 – a pressa da Petrobrás em encerrar a negociação prejudicou o processo, visto que ainda há pontos que podem avançar, tais como a vigência do acordo, a AMS, a questão das horas extras e a promoção de pleno para sênior.

Diante disso, as entidades sindicais, reconhecendo o esforço e dedicação da vice-presidência do TST, bem como do mediador, aguardam o prosseguimento do processo negocial.

Veja também o vídeo do coordenador geral da FUP, José Maria Rangel:

 

 

Leia mais: