EDITORIAL – Preparem-se para a greve EDITORIAL – Preparem-se para a greve

Opinião, De que lado você está? | 27 de setembro de 2019

Em 27 de setembro de 1994, os petroleiros de Minas Gerais iniciavam uma das mais emblemáticas e ousadas mobilizações de sua história. Naquele momento, vivíamos um ambiente parecido com o atual – com ataques aos nossos direitos, piora nas condições de trabalho e ameaças de privatização.

A negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) também se encontrava “empacada”, diante de uma postura intransigente da empresa e um forte compromisso do governo em retirar direitos. As eleições presidenciais traziam consigo o fantasma das privatizações, resultando inclusive na eleição de outro privatista confesso: Fernando Henrique Cardoso.

Naquele momento, também assistíamos à postura autoritária de gerentes e diretores da empresa, que – como agora – abusam do assédio moral e da repressão como formas de desmobilização da categoria. Entretanto, apesar do clima de terror desses “capitães do mato”, a categoria não hesitou em lutar e se mostrar solidária aos companheiros, sejam punidos ou demitidos.

A greve com parada de produção da Regap em 1994 é, portanto, um exemplo de disposição de luta da categoria, especialmente para as novas gerações. O momento não é somente de relembrar essas experiências, mas também de nos motivarmos com essa história de resistência e coragem daqueles que lutaram antes de nós.

Assim como naquele momento, o movimento grevista se torna inevitável e, muito provavelmente, inadiável. Os ataques durante o período de negociação no Tribunal Superior do Trabalho (TST) apenas tem reafirmado nossas denúncias sobre a atual direção da empresa e sobre o governo Bolsonaro. Portanto, petroleiras e petroleiros de Minas Gerais, preparem-se para a greve!