2019: Minas dá exemplo de luta e resistência 2019: Minas dá exemplo de luta e resistência

Diversos, Notícias, Publicações | 20 de dezembro de 2019

O primeiro ano do governo privatista de entreguista de Bolsonaro deixou claras suas intenções de desmantelar a Petrobrás. Para garantir a benção do mercado e preparar seu setor de refi no para a privatização, manteve a criminosa política de preços de combustíveis implementada por Pedro Parente (Governo Temer) resultando em aumentos para a população.

De janeiro a dezembro, vimos a Petrobrás colocar no balcão de negócios quase todos os setores: refi narias, termelétricas, campos terrestres e marítimos, fertilizantes, biodiesel, transporte, distribuição, etc. A Regap, maior unidade da Petrobrás em Minas, foi colocada à venda junto com outras sete unidades de refi no (50% da capa cidade atual de produção de combustíveis).

Diante desse quadro, o Sindipetro/MG atuou em diversas frentes para enfrentar o processo de privatização, especialmente da Rgap, como:

–  Articulação e participação em seis audiências públicas sobre impactos da privatização da Petrobrás, em Minas e Brasília.

–  Apoio à construção de três frentes parlamentares em defesa da Petrobrás e da Soberania Nacional, tanto na Assembleia Legislativa quanto no Congresso Nacional;

–  Ações judiciais contra as vendas da BR Distribuidora, o acordo Cade/Petrobrás e a privatização do refi no. Além disso, foi ajuizada ação popular específi ca contra a venda da Regap.

– Realização de atos e mobilizações na porta da Regap, contra a privatização e o aumento do preço dos combustíveis.

Direitos ameaçados

Vivenciamos uma guerra em defesa do nosso Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) em 2019. Durante meses, negociamos e enfrentamos a intransigência da empresa que abusou do assédio e do terror sobre seus empregados.

A categoria mineira foi exemplo de organização e mobilização para todo o país, protagonizando assembleias históricas e sendo a única base a realizar uma greve durante a campanha salarial.

Apesar das dificuldades da construção de uma luta nacional e da perda de direitos no fechamento do acordo, a categoria mostrou que está disposta a luta por seus direitos e empregos.

2019: Minas dá exemplo de luta e resistência