Petroleiros de Minas seguem em segundo dia de greve Petroleiros de Minas seguem em segundo dia de greve

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 2 de fevereiro de 2020

A greve em Minas segue forte em seu segundo dia de mobilização. Após cinco trocas de turno e cerca de 40 horas de movimento, a adesão dos trabalhadores da Refinaria Gabriel Passos (Regap) e Usina Termelétrica de Ibirité (UTE-IBT) é superior a 90%.

A diretoria do Sindipetro/MG tem se revezado na tenda organizada pela entidade na portaria da Regap, atualizando os grevistas sobre movimento nacional. Nos horários de troca de turno, os diretores do Sindicato tem acompanhado a chegada dos ônibus que realizam o transporte dos trabalhadores completamente vazios.

Direito de Greve

A Constituição de 1988 assegura, em seu art. 9°, o direito de greve aos trabalhadores, inclusive àqueles que trabalham em atividades essenciais, caso da Petrobrás. Todavia, o direito de greve é regulado pela lei 7.783/89, que, em seus artigos 9 e 11, estabelece a necessidade de manutenção dos serviços atividades essenciais à comunidade, determinando que empresa e sindicato dos trabalhadores cheguem ao chamado “comum acordo” para fins daqueles artigos.

A entidade sindical, em cumprimento à Constituição e à Lei de Greve, comunicou a empresa sobre a paralisação com a antecedência de 72h, oportunidade em que solicitou reunião para se chegar ao entendimento comum sobre como se dará a manutenção das atividades e serviços essenciais enquanto durar o movimento paredista.

A Petrobrás, por sua vez, descumprindo a obrigação recíproca que a lei lhe impõe, se negou e se nega a negociar com o Sindicato. Desse impasse, o Sindipetro/MG solicitou a mediação/conciliação junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que, entendendo pertinente o pleito da entidade, determinou a realização de audiência para tal fim amanhã (03/02), às 14h30, na sede de tribunal em Belo Horizonte.

Mesmo respeitando todos os requisitos legais para a realização do movimento grevista, a diretoria do Sindipetro/MG recebeu, na tarde de ontem (01/02), intimação referente a uma decisão liminar determinando que a entidade sindical garantisse a entrada de trabalhadores para compor a equipe de contingência da empresa. Em caso de descumprimento, a decisão prevê multa de R$50.000,00 por dia ao Sindicato.

Na noite de ontem (01/02), a assessoria jurídica da entidade apresentou mandado de segurança contra a decisão liminar obtida pela Petrobrás, de forma a garantir o direito de greve dos petroleiros. Entretanto, o recurso foi indeferido pela Justiça na manhã de hoje (02/02).

Cárcere privado

A gerência da Regap mantém petroleiros por mais de 50 horas em jornada ininterrupta de trabalho. Segundo denúncias enviadas ao Sindicato, esses trabalhadores estão completamente debilitados e estressados, o que coloca em risco a saúde e a segurança de todos, além da comunidade do entorno da refinaria. A gerência da Regap teria um grupo de contingência para promover a rendição desses trabalhadores, porém tem se recusado a fazê-lo.

Na noite de ontem (01/02), foi apresentado habeas corpus coletivo, perante a Justiça Federal, contemplando 37 trabalhadores que enviaram documentos solicitados pela assessoria jurídica. O juiz federal plantonista determinou, em caráter de urgência, a expedição de mandado de intimação ao gerente geral da Regap, Wagner Felício, para que preste informações no prazo de 12 horas. O Sindicato seguirá informando os trabalhadores sobre novas situações em relação às iniciativas jurídicas em andamento.

Movimento Nacional

Até o momento já são 12 as unidades de refino que estão sem rendição nos turnos e 04 terminais da Transpetro, subsidiária da Petrobrás que também está sob risco de privatização e demissões.

Na Bacia de Campos, 12 plataformas já aderiram à orientação do sindicato de realizar levantamento de pendências de segurança, efetivo e se houve embarque de equipes de contingência a bordo.

Na Fafen-PR, os trabalhadores seguem ocupando a unidade há 12 dias para impedir o seu fechamento e as mil demissões anunciadas pela gestão da Petrobrás para ter início no próximo dia 14.

Na tentativa de abrir um canal de negociação com a gestão da Petrobrás, um grupo de cinco diretores da FUP estão desde as 15 horas de ontem (31/01), ocupando uma sala de reunião no quarto andar do edifício sede da empresa, na Avenida Chile, no Rio de Janeiro.

Com informações da FUP

Petroleiros de Minas seguem em segundo dia de greve