Petrobrás suspende pagamento de horas-extras e férias aos trabalhadores Petrobrás suspende pagamento de horas-extras e férias aos trabalhadores

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 26 de março de 2020

Nesta quinta-feira (26), a Petrobrás anunciou uma série de medidas para “reforçar a resiliência” em relação aos impactos econômicos causados pela pandemia do covid-19. Diminuição da produção, hibernação de plataformas em águas rasas, postergação dos dividendos aos acionistas e adiamento do pagamento do Programa por Performance são algumas delas.

Entretanto, seguindo a linha que vinha adotando desde a chegada do coronavírus ao Brasil, a estatal continuou penalizando os trabalhadores pela crise. A partir da Medida Provisória nº 927, recém editada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Petrobrás anunciou a suspensão dos pagamentos de horas-extras, férias e do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

De acordo com o diretor do Sindipetro/MG, Felipe Pinheiro, “ao invés de focar na garantia da saúde dos seus trabalhadores, essenciais para garantir o abastecimento da população nessa crise, a direção da Petrobrás prefere retirar direitos em plena pandemia do coronavírus. Ao mesmo tempo quer aumentar os bônus dos chefes. Tudo isso sem negociação com os sindicatos. A empresa se reúne com a FUP apenas para informar” afirma o diretor.

Resiliência ou Incoerência?

A estatal aponta a postergação do pagamento de 30% da remuneração mensal total do presidente, diretores, gerentes executivos e gerentes gerais. Entretanto, na última sexta-feira (20), essa mesma diretoria propôs aos acionistas que triplicassem o pagamento de bônus relacionado ao Prêmio por Performance (PPP).

Com a instauração do PPP, em abril do ano passado, o presidente da companhia, atualmente Roberto Castello Branco, pode ganhar até 13 vezes o seu salário mensal em bônus no final do ano.

Confira abaixo o documento completo emitido pela Petrobrás:

ações_resiliência.pdf

 Com informações do Sindipetro Unificado de São Paulo.