Gerência da Regap reduz número mínimo de trabalhadores em plena pandemia Gerência da Regap reduz número mínimo de trabalhadores em plena pandemia

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 25 de maio de 2020

Nas últimas semanas, o Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro/MG) recebeu denúncias sobre a redução de número mínimo de trabalhadores em setores operacionais da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG). O caso mais alarmante e grave ocorre na HDT, onde houve diminuição do número mínimo no painel mesmo com a partida de unidades que estavam paradas. A situação causa grande apreensão no setor.

A gerência local alega que a redução está prevista no estudo de O&M, que prevê a alteração do número mínimo de trabalhadores em situações “atípicas”. Entretanto, o próprio setor realizou a transferência de vários operadores do regime de turno para o HA, não justificando qualquer alegação quanto à falta de efetivo.

Os trabalhadores denunciam também a intenção da gerência de reduzir permanentemente o quadro de operadores, inclusive abaixo do previsto no estudo de O&M. Apesar de ter sido realizado sem a participação do Sindicato, o estudo manteve o quadro de efetivo mínimo historicamente adotado para operar as unidades com segurança.

Segundo o diretor Alexandre Finamori, “enquanto os trabalhadores estão preocupados com as questões sanitárias, com a pandemia e a garantia dos serviços essenciais à sociedade, a gerência está preocupada com mesquinharias, como a redução número mínimo, colocando em risco os trabalhadores e a comunidade”, afirma.

Posicionamento

Para o Sindipetro/MG a redução de número mínimo em unidades operacionais com alto potencial de risco coloca em perigo a vida dos trabalhadores e da comunidade do entorno.

A alteração é mais grave ainda por ter sido realizada seu qualquer negociação ou diálogo com a categoria e seu Sindicato. A Gerência da Regap está se aproveitando do momento da pandemia para reduzir gastos financeiros.

Histórico

O Sindipetro/MG enviou uma série de ofícios questionando sobre as reduções de número mínimo realizadas durante a pandemia. A entidade cobra acesso ao estudo O&M, no qual a empresa se baseia para reduzir o número de trabalhadores em cada setor da refinaria, apesar de se tratar de estudo realizado sem a participação do sindicato.

O Sindicato solicita também informações acerca das tarefas a serem suprimidas e/ou remanejadas a partir dessas mudanças. Entretanto, todas essas perguntas seguem sem qualquer resposta da empresa.

Ação

O Sindicato solicitou, por mais uma vez, esclarecimentos da gerência da Regap sobre as denúncias via ofício. Caso a gestão local insista nas ações, a denúncia será encaminhada aos órgãos competentes e a entidade buscará ações legais garantir a segurança dos trabalhadores e moradores da região do entorno.

Além disso, o Sindicato realizará nos próximos dias reunião setorizada on-line com os trabalhadores do setor HDT, para debater ações de resistência para barrar os ataques.

Gerência da Regap reduz número mínimo de trabalhadores em plena pandemia