Saída da Ford do Brasil e desmonte da Petrobrás Saída da Ford do Brasil e desmonte da Petrobrás

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 14 de janeiro de 2021

Decisões seguem a mesma lógica de empobrecer população e enriquecer acionistas

A Ford anunciou o fim de sua atividade industrial em Camaçari (Bahia), Horizonte(Ceará) e Taubaté (São Paulo), nesta terça-feira (12). A planta de São Bernardo do Campo foi fechada em 2019. A montadora atuava no Brasil há um século.

Essa decisão impacta de pronto cinco mil empregos diretos. Uma empresa com presença centenária no Brasil, que sempre utilizou subsídios governamentais, justifica a saída do país pelas dificuldades de manter seus rendimentos em virtude da pandemia.

A situação evidencia os objetivos de Bolsonaro, e se aplica à privatização da Petrobrás e à venda da Regap, limitar o país à exportação de commodities e delapidar o Estado brasileiro; seja pela via das privatizações, seja pela drenagem do orçamento das políticas públicas para o enriquecimento de milionários. A destruição do Brasil como nação é o plano.

Brasil perde plataformas P-78 e P-79
Na esteira do projeto de desmonte das estatais e do país, Petrobras que já fechou usinas de Biodiesel, de fertilizante e parou postos de exploração, essa semana anunciou que não deve mais construir as plataformas P78 e P79 em território brasileiro. Agora o projeto será levado para Ásia.

A decisão trouxe um grande impacto para o Brasil, que já contava com essa construção, que ocasionaria a geração de 8 mil empregos diretos e 80 mil empregos indiretos.

Caso Fafen/PR
Em janeiro de 2020, a Petrobrás anunciou o fechamento da unidade da Fafen, subsidiária da da empresa em Araucária (PR). Com isso, foram demitidos cerca de mil trabalhadores.

O caso é símbolo do desmonte da Petrobrás e do descaso com os trabalhadores. A situação deu origem a greve histórica dos petroleiros em fevereiro do mesmo ano.