Petrobras protege gerentes executivos suspeitos de usar informações privilegiadas para lucrar Petrobras protege gerentes executivos suspeitos de usar informações privilegiadas para lucrar

Diversos, Notícias, Tribuna Livre, Novidades, Política | 30 de abril de 2021

O conselho de administração da Petrobras decidiu na última quinta-feira (29) não demitir por justa causa dois gerentes executivos que usaram informações privilegiadas da empresa para obter lucro pessoal. A informação foi publicada na coluna de Lauro Jardim, do site O Globo.

Claudio Costa, ex-gerente de RH que foi demitido há um mês, e Rodrigo Ugarte, gerente executivo de Suprimentos, que permanece no cargo, negociaram ações da estatal no período próximo à divulgação do balanço da companhia, em que essas operações não são permitidas. 

Ainda assim, os conselheiros da empresa julgaram que estão enquadrados em situação de justa causa. Segundo o colunista, os casos de ambos serão julgados nesta sexta-feira (30) pelo Comitê de Pessoas da Petrobras. 

O comitê vai avaliar se a demissão de Cláudio Costa será convertida num processo de justa causa. Ele nega que soubesse que estava incluído no rol dos executivos proibidos de comprar ou vender ações da empresa naquela data e afirma que avisou à gerência de Relações com os Investidores sobre a transação no dia seguinte, que ganhou cerca de R$ 25 mil.

Para o diretor do Sindipetro/MG, Marcelo Teodoro, a Petrobras usa dois pesos e duas medidas para tratar seus funcionários. Enquanto os petroleiros são obrigados a passar por treinamentos anticorrupção e sofrem humilhações e retaliações constantemente, os “amigos do rei” são tratados com todas as regalias possíveis.

“É incoerente que a Petrobras tenha tal atitude num cenário onde trabalhadores são ameaçados de punições quase que diariamente, no famoso sistema de consequências aplicado recentemente pela empresa. São vários exemplos de punições arbitrárias, como ocorreu com trabalhadores da Regap em 2020 e com o coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP) Deivid Barcelar este ano”, afirmou o diretor.

Petrobras protege gerentes executivos suspeitos de usar informações privilegiadas para lucrar