Trabalhadores do campo e da cidade se reúnem para discutir projeto energético popular Trabalhadores do campo e da cidade se reúnem para discutir projeto energético popular

Diversos, Notícias | 21 de maio de 2014

A necessidade de se construir um novo modelo energético, que atenda os interesses dos trabalhadores,  foi um dos principais desafios identificados no Seminário Nacional de Política Energética. Os representantes dos movimentos social e sindical do Brasil e de alguns países latino-americanos estiveram reunidos nos dias 19 e 20, na sede do Sindieletro-MG, em Belo Horizonte, para construir uma estratégia de atuação que busque engajar toda sociedade.

Representantes dos movimentos social e sindial participam do seminário 

Para o coordenador nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens, Jocelli Andreoli, a união entre os trabalhadores do campo e da cidade, além dos companheiros da América Latina, é imprescindível para conquistar um modelo que combata o capital. Além disso, Jocelli lembrou que a tarifa energética brasileira é uma das mais caras do mundo e, em Minas Gerais, 46% da conta de luz é referente ao ICMS. Ele ainda chamou atenção para o Plebiscito Popular pela Redução da Tarifa energética, que foi realizado no passado. Ao todo, foram arrecadadas 603 mil assinaturas, o que evidencia o interesse da população sobre o tema. Na segunda-feira, 19, representantes dos consumidores e dos movimentos populares ocuparam à Assembleia Legislativa para entregar as assinaturas e cobrar um retorno quanto à reivindicação. A direção da Cemig, que foi convidada, não compareceu. Leia mais

Jocelli Andreoli – coordenador nacional do MAB – destaca necessidade da união entre os trabalhadores do campo e da cidade

O coordenador da FUP, João Antônio de Moraes, fez uma breve apresentação sobre a conjuntura atual da Petrobrás, destacando o crescimento nos últimos e, consequentemente, a sua importância para a soberania do país. Moraes não deixou de mencionar os ataques vividos pela empresa nos últimos meses, que para ele, trata-se de disputa política, onde a direita tenta desmoralizar a atual gestão, de olho nas próximas eleições. O coordenador do Sindipetro/MG, Leopoldino Martins e o diretor, José Maria, também marcaram presença representando a categoria petroleira de Minas Gerais.

 Moraes – coordenador da FUP – destaca importância da Petrobrás para soberania do país

Outro ponto destacado foi  a necessidade de os trabalhadores entenderem que a atual estrutura energética está muito bem organizada, e isso vai exigir a competência dos movimentos para mobilizar a sociedade, começando pelas categorias . Ao término do debate, foi construída uma pauta, a ser repassada para as entidades, que norteará a luta nos estados. Além disso, foram aprovadas duas moções; uma de apoio à greve dos servidores públicos municipais de Belo Horizonte e outra em solidariedade à luta do povo venezuelano. 

Participantes discutem em grupo os desafios a serem enfrentados 

 

Trabalhadores do campo e da cidade se reúnem para discutir projeto energético popular