Dois acidentes graves no refino Dois acidentes graves no refino

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 24 de agosto de 2018

Um incêndio atingiu a Refinaria de Paulínia (Replan), no interior de São Paulo na madrugada da última segunda-feira (20). As chamas tiveram início após a explosão do tanque de águas ácidas, que fica no chamado craqueamento, unidade que acabou de passar por manutenção e sofreu uma série de intervenções em seus equipamentos, segundo informações do Sindipetro Unificado de São Paulo.

O fogo também atingiu a unidade de destilação da Refinaria, causando o rompimento de várias linhas de tubulações. Houve três explosões e os trabalhadores tiveram de deixar o local. “Foi muito grave o que aconteceu, poderia ter sido uma calamidade”, denunciou o coordenador-geral da FUP, Simão Zanardi Filho.

Os funcionários do setor administrativo foram dispensados na última segunda devido à falta de segurança. Somente os trabalhadores da operação e manutenção foram trabalhar. A Petrobrás paralisou a produção da Refinaria, sem previsão de normalização. Foi instaurada uma comissão para investigar as causas da explosão.

Há 20 dias, outro acidente grave aconteceu na Regap, em Minas Gerais. Um vazamento de ácido sulfúrico 98% deixou três trabalhadores feridos. O acidente aconteceu quando um operador e dois técnicos de manutenção acompanhavam o teste de uma válvula do sistema de ácido sulfúrico 98% da U-47 e houve o rompimento de uma conexão de um Indicador Local de Pressão (PI) próximo ao local de serviço, emitindo um jato de ácido que os atingiu.

O operador Antenor Pessoa Cavalcante teve 20% do corpo queimado e está internado no Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte. Além das queimaduras, ele sofreu uma lesão reversível no olho direito. Os outros dois trabalhadores tiveram apenas ferimentos leves.

Os acidentes da Replan e da Regap são reflexo da política de cortes de investimentos e privatização de ativos da atual gestão da Petrobrás. Essas medidas potencializam os riscos de acidentes, principalmente em função da redução de efetivos, da falta de manutenção das unidades e da consequente precarização das condições de trabalho. Em pesquisa feita pela FUP e sindicatos com os trabalhadores de refinarias, 94% dos 1.180 petroleiros informaram que não se sentem seguros nas unidades. Apenas 170 trabalhadores disseram ter tido algum tipo de treinamento sobre os procedimentos de Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis, como prevê a NR-20.

Minas Gerais registra três acidentes em dez dias

Minas Gerais registrou seu terceiro acidente em unidades da Petrobrás em dez dias, sendo o segundo com vítima. No último dia 16, um trabalhador terceirizado ficou ferido durante a parada de manutenção que acontece na Termelétrica Aureliano Chaves, em Ibirité, há quatro semanas.

A vítima sofreu um corte na mão e foi socorrida para o setor médico da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), e depois encaminhada a um hospital. Ele precisou de quatro pontos e teve alta médica no mesmo dia. Já no dia seguinte foi visto na Termelétrica, mas não estava trabalhando, pois o serviço da empresa terceirizada havia sido suspenso.

Além do vazamento de ácido sulfúrico 98% na Regap, outro acidente aconteceu na Refinaria no dia 6 de agosto. Uma Kombi da empreiteira Manserv pegou fogo dentro da Refinaria. O incêndio ocorreu no motor do veículo e foi rapidamente controlado com uso de canhão de água e extintores. Ninguém ficou ferido.

Dois acidentes graves no refino