Regap admite demissão de terceirizados do grupo de risco em plena pandemia Regap admite demissão de terceirizados do grupo de risco em plena pandemia

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 20 de maio de 2020

O Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG) recebeu denúncia sobre a demissão de trabalhadores terceirizados da Regap, em Betim (MG), em plena pandemia da Covid-19. Os funcionários foram demitidos por pertencerem ao grupo de risco.

Nesta semana, o sindicato foi informado sobre dez pessoas demitidas na empresa ELFE. Na semana anterior foram duas da Manserv, na mesma situação.

Para o diretor do Sindipetro, Alexandre Finamori, trata-se de uma medida desumana e cruel por parte dessas empresas em plena pandemia. Além disso, a gerência da Regap tem admitido essas medidas em suas unidades, desconsiderando a responsabilidade solidária da empresa contratante sobre os terceirizados.

“É inadmissível que em plena pandemia pessoas em situação de vulnerabilidade estejam sendo demitidas por empresas que prestam serviços para a Petrobras. Mais inadmissível ainda, é a gestão da empresa fechar os olhos e lavar as mãos diante das demissões. Isso mostra que o lucro está acima de tudo”, afirma o diretor.

O Sindipetro/MG já encaminhou a denúncia a parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que levarão o tema aos organismos competentes.

Demissões em Massa
A situação se repete em outras bases. Empresas terceirizadas contratadas pelo Sistema Petrobras estão demitindo funcionários que pertencem ao grupo de risco de contaminação da covid-19.

Além da Regap, em Minas Gerais, chegam denúncias da Reduc, em Duque de Caxias (RJ) e de plataformas da Bacia de Campos.

Ao invés de garantir que essas pessoas estejam em casa, cumprindo a quarentena de forma protegida, a gestão Castello Branco está assistindo passivamente às demissões em massa.

Regap admite demissão de terceirizados do grupo de risco em plena pandemia