Cresce doenças mentais na categoria

AMS não possui nenhum hospital psiquiátrico credenciado na RMBH

O número de adoecimentos mentais entre os trabalhadores da Petrobrás tem crescido nos últimos anos. Na Regap, em Betim/MG, as ocorrências podem estar relacionadas a redução do número de efetivo mínimo e as incertezas quanto ao futuro da refinaria, que pode ser privatizada a qualquer momento.

De acordo com pesquisa do instituto Ipsos, realizada em 2021, 53% dos brasileiros entrevistados afirmaram que, nos últimos anos, perceberam uma piora em seu bem-estar mental. Nas refinarias de petróleo, os sintomas psicológicos mais presentes são a tristeza, a ansiedade e o estresse ocupacional. Ao
negligenciar o combate às doenças mentais, a empresa torna a unidade predisposta à ocorrência de acidentes, que podem se transformar em verdadeiras tragédias.

Setembro Amarelo

Nos últimos 5 anos, acompanhando os dados apresentados pela gerência local nas Reuniões do Comitê Local de SMS, o sindicato verificou um aumento dos afastamentos por questões relacionadas à saúde mental nas bases mineiras. Em 2020, essa situação se mostrou ainda mais grave, com uma triste ocorrência envolvendo a perda de um empregado próprio por suicídio. Hoje, a AMS não possui nenhum hospital psiquiátrico credenciado na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

O Sindipetro/MG incentiva que, ao primeiro sinal de doença mental, o petroleiro procure ajuda médica. E cobra que a Petrobrás assuma suas responsabilidades para evitar o adoecimento da categoria. Precisa de ajuda?

O CVV é um serviço gratuito de apoio emocional e 24h. Disque 188.