Na decisão sobre o futuro, a bola está com a gente!

Queremos que a Petrobrás volte a ser uma empresa integrada de energia

Como numa partida final de Copa do Mundo, o futuro do povo brasileiro está em jogo com as Eleições. O momento é decisivo e exige esforços para que a classe trabalhadora não fique mais quatro anos a lamentar o rebaixamento de direitos e piora da qualidade de vida. Nas urnas, a bola está com a gente.

No futebol, a disputa entre os times traz emoções, mas costuma ser só entretenimento. Já na política, onde alguns acham chato ou difícil de entender tantos detalhes, as consequências podem ser nefastas, como se vê com o atual governo que protagoniza episódios lamentáveis de autoritarismo, incentivo à violência, destruição ambiental, desprezo pela vida e ameaça à democracia. Os retrocessos do governo Bolsonaro se expressam nas altas taxas de desemprego, inflação no preço dos alimentos, carestia e volta do Brasil ao Mapa da Fome. Um governo contra mulheres e negros, que incentiva a posse de armas, não investe em Educação, privatiza estatais do porte da Eletrobras e deixa a sua marca de desumanidade na má condução do combate à Covid e políticas de saúde pública e segurança.

A categoria petroleira também tem sentido na pele os reflexos da política bolsonarista implementada na Petrobrás. Sabemos bem o que é a redução de efetivo, o sucateamento dos equipamentos, rebaixamento de salários e piores condições de trabalho para terceirizados, diminuição de investimentos e obras nas unidades operacionais, retirada de direitos do ACT e desmonte da AMS, além da ameaça de privatização.

Não dá pra votar em quem defende entregar nossas riquezas e nosso patrimônio, como já fizeram com as refinarias na Bahia e Amazonas, e como querem fazer com a Regap e outras que, se privatizadas, terão corte de pessoal próprio e terceirizado. Como trabalhadoras e trabalhadores, temos que defender os nossos interesses e o da coletividade, votando em candidatos que lutam a favor do povo e contra as elites que só pensam em garantir seus privilégios. É momento de refletir sobre o que os candidatos fizeram no passado, assim como certificar sobre as suas reais condições de resolver os problemas do país, que passam pelo crescimento econômico e a redução das desigualdades sociais. Além de eleger um presidente comprometido com os trabalhadores, os eleitos para os demais cargos precisam estar alinhados com o mesmo projeto para que o país avance. Pois, as leis que afetam o dia a dia são votadas por eles. Não podemos mais ter perdas como as das reformas trabalhista e previdenciária que aprofundaram as desigualdades e aumentaram a miséria no Brasil.

O futuro se decide nas urnas. Precisamos reconstruir o Brasil e, entre os projetos políticos em disputa, escolher aquele que representa a defesa dos interesses da classe trabalhadora e o resgate da soberania do país, com um plano estratégico e de investimentos para a Petrobrás voltado para a segurança energética, a autossuficiência nacional em petróleo e derivados, a garantia do abastecimento de combustíveis no país e a geração de emprego.

Queremos que a Petrobrás volte a ser uma empresa integrada de energia, investindo em exploração, produção, refino e distribuição, e atuando nos segmentos voltados à transição energética, como gás, fertilizantes, biocombustíveis e energias renováveis.

Defender a Petrobrás é defender o Brasil! Eleger candidatos comprometidos com a classe trabalhadora é virar o jogo e garantir um futuro melhor!