Nova empresa de alimentação da Regap piora serviço e serve alimentação com pedaço de pedra e vidro

Antiga fornecedora assedia trabalhadores da cozinha para que peçam demissão

A substituição da fornecedora de alimentos da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim/MG, tem demonstrado todo o descaso da Petrobrás com os seus trabalhadores. Além da nítida queda na qualidade do alimento, com trabalhadores encontrando até mesmo pedaço de vidro na comida, a prestadora de serviço anterior, Savvy, tem orientado os seus funcionários a pedirem demissão. A medida é vista como uma manobra da empresa para se livrar da obrigação de pagar os direitos trabalhistas de seus funcionários.

Essa não é a primeira vez que o Sindipetro/MG recebe uma denúncia de irregularidades cometidas pelas empresas terceirizadas pela Petrobrás. Casos de assédios e descumprimentos da legislação trabalhista têm se tornado comuns dentro da empresa. A repetição dos casos reflete a irresponsabilidade da gestão bolsonarista da Petrobrás que, ao promover a terceirização desenfreada em suas unidades, desconsidera as denúncias e se exime de suas responsabilidades.

“A Petrobrás, como empresa contratante, tem o dever de assumir a responsabilidade sobre os casos de assédio dentro de suas unidades. Assim como o trabalhador terceirizado, sendo parte do quadro de funcionários da empresa, deve ter os seus direitos preservados, seja pela empresa prestadora de serviços ou pela Petrobrás” afirmou o diretor do Sindipetro/MG, Guilherme Alves.

Pedaço de vidro na comida

Após a substituição das empresas, o fornecimento dos alimentos na Regap passou a ser de responsabilidade da Cook. A queda na qualidade dos alimentos foi sentida de imediato pelos trabalhadores da refinaria. Frutas verdes e sucos de baixa qualidade passaram a fazer parte do cardápio cotidiano. Assim como passou a ser rotineiro o encontro de pedras e até mesmo pedaço de vidro no meio das refeições.

Os relatos recentes demonstram o descaso da gestão bolsonarista da Petrobrás em relação aos seus trabalhadores. De acordo com o diretor Guilherme Alves, o processo de privatização ampla e irrestrita, do qual os trabalhadores têm sido vítimas, torna o ambiente de trabalho ainda mais precário quando a escolha da empresa prestadora de serviço desconsidera a qualidade do serviço oferecido, e se baseia apenas nos custos do contrato.

“O que temos visto nos últimos anos é uma Petrobrás terceirizando cada vez mais setores e acelerando o seu processo de sucateamento. Essa gestão bolsonarista da empresa, preocupada em apresentar números elevados ao mercado, tem feito constantes ataques contra a saúde de seus trabalhadores. A redução da qualidade da alimentação na Regap é uma coisa que já acontece em outras bases pelo Brasil afora” denunciou Guilherme Alves. “O Sindipetro/MG já está apurando as denúncias da categoria e estamos recolhendo mais informações para denunciar a Cook e a Savvy  por descumprimento de contrato. A Petrobrás tem que intervir nas situações expostas e solucionar esses problemas” concluiu.

O Sindipetro/MG segue atento aos descasos da gestão Petrobrás e reforça o pedido para que os trabalhadores denunciem casos como esses. E-mail: diretoria@sindipetromg.org.br