Até quando? Sindicato cobra solução para demandas da categoria na Regap Até quando? Sindicato cobra solução para demandas da categoria na Regap

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 2 de junho de 2023

A alimentação na refinaria voltou a ser debatida com o sindicato levantando preocupações sobre a qualidade da alimentação disponível


por Sindipetro/MG

 

Na última terça-feira, 30 de maio, o Sindipetro/MG realizou uma importante reunião com a Comissão Local de Recursos Humanos da Refinaria Gabriel Passos (Regap) para tratar de diversos assuntos relevantes para os trabalhadores. Durante o encontro, foram abordados pontos como a possibilidade de retomada do Relógio de Ponto no CIC e a questão da alimentação, assim como a terceirização no GPI e as questões relacionadas ao transporte do turno.

No que diz respeito ao transporte, o sindicato levantou preocupações sobre o tempo de permanência dos trabalhadores nos ônibus utilizados no transporte de turno, além da restrição de disponibilidade de novas linhas, especialmente para cidades próximas à Refinaria. Em posição defensiva, a gerência informou que o tempo máximo de permanência no transporte é de 1 hora e 45 minutos, tempo este questionado pelo sindicato, mas se comprometeu a analisar a situação.

Outro ponto discutido foi a retomada do Relógio de Ponto no CIC e a liberação de todos os relógios de ponto, como era feito anteriormente. O sindicato destacou a situação atual em que os trabalhadores do turno ficam aguardando a saída do transporte com o cartão já batido por aproximadamente 15 minutos. Sobre isso, a gerência se comprometeu a avaliar a questão do ponto no CIC e dar uma resposta na próxima reunião do Comitê Local de SMS, na próxima terça-feira (6). Quanto à não liberação dos demais relógios de ponto, foi informado que essa é uma orientação corporativa em discussão nos grupos de trabalho nacionais.

A alimentação na refinaria voltou a ser debatida com o sindicato levantando preocupações sobre a qualidade da alimentação disponível, especialmente para o turno, e a falta de opções para trabalhadores com dietas restritivas. A fim de esclarecer os fatos, a gerência se comprometeu a apresentar os dados recentes da pesquisa de satisfação. Também informou que os trabalhadores com dietas restritivas devem comunicar sua condição ao Setor Médico. Mas se comprometeu a reforçar a comunicação informando os trabalhadores quanto a essa necessidade.

O tema da terceirização no GPI foi outro ponto de enfrentamento político durante a reunião. O sindicato cobrou esclarecimentos sobre a contratação de mão de obra terceirizada nesse setor, levantando preocupações sobre a possível terceirização velada dos postos de trabalho. A gerência justificou a contratação de 12 técnicos industriais como uma oripentçãp corporativa para fortalecimento do suporte aos técnicos de operação. O sindicato exigiu detalhes sobre os requisitos contratuais e a delimitação das tarefas dos novos técnicos, além de solicitar que o treinamento seja conduzido pelos setores de planejamento e manutenção, em vez da Operação.

“Embora a empresa tenha se mostrado aberta ao diálogo, o sindicato avalia que ainda há poucas soluções concretas para alguns pontos importantes e cobra uma mudança significativa na gestão local com o novo governo Lula” afirmou o coordenador geral do Sindipetro/MG, Guilherme Alves. Outras demandas continuarão sendo tratadas na próxima Reunião da Comissão Local de SMS, agendada para a próxima terça-feira, 4 de junho.