Abertura do Congresso Estadual destaca lutas e desafios Abertura do Congresso Estadual destaca lutas e desafios

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 6 de julho de 2023

A próxima mesa será realizada na sexta-feira, 7, às 17h30, e debaterá questões de SMS e Combate ao Assédio e às Opressões


por Sindipetro/MG

 

Nesta quarta-feira (5), teve início o 37º Congresso Estadual dos Petroleiros de Minas Gerais, um evento de importância para a categoria petroleira e pela retomada de direitos e reconstrução do Brasil. O congresso deste ano está ocorrendo em formato híbrido, para garantir a participação ampla dos petroleiros.

A programação teve início com a realização de 1 minuto de silêncio pelo falecimento dos companheiros de lutas sindicais, Chico Ferramenta (PT) e Chiquinho (PSTU). Após a leitura do regimento, momento formal para estabelecer as regras e diretrizes que nortearão os debates e deliberações ao longo do evento, foi realizada a mesa de abertura, que contou com a presença de importantes lideranças sindicais. Deyvid Bacelar, coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), foi um dos participantes da mesa de abertura. Em sua fala, ele destacou e parabenizou os petroleiros de Minas Gerais por, pela segunda vez consecutiva, eleger uma chapa de unidade à diretoria do Sindipetro/MG.

Durante a sua análise de cultura, Deyvid Bacelar pontuou as perdas de direitos nos últimos 8 anos, assim como o processo de desmonte ao qual a Petrobrás estava submetida. “Desde 2015 nós sofremos com as perdas nas negociações coletivas. Neste período, nós perdemos em nosso ACT mais de 30 cláusulas”, afirmou. “Nós já estamos tendo algumas sinalizações do governo federal e da Petrobrás de que avançaremos nas negociações deste ano. O primeiro exemplo é a suspensão do saldo devedor da AMS. Enquanto o segundo é a aprovação do nome de Henrique Jager para a presidência da Petros”, complementou.

Além de Deyvid Bacelar, também esteve presente o petroleiro Eduardo Henrique, secretário-geral da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). Eduardo destacou a necessidade de enfrentar os obstáculos e resistir aos ataques contra os direitos dos trabalhadores. “Primeiramente, devemos nos manter mobilizados para ocupar as ruas e derrotar nelas a extrema-direita brasileira. Nós também precisamos disputar este governo e desbolsonarizar a Petrobrás. Por isso, devemos estar preparados para sofrer ataques e ter força para revidar e garantir a retomada dos nossos direitos. Por isso, devemos nos manter independentes do governo”, enfatizou o secretário-geral da FNP.

O Congresso representa mais um passo importante na luta dos trabalhadores do setor e reafirma o compromisso de resistência e mobilização em defesa dos direitos e da reconstrução da Petrobrás e do Brasil. A próxima mesa será realizada na sexta-feira, 7, às 17h30, e debaterá questões de SMS e Combate ao Assédio e às Opressões. Participe! Fortaleça a luta da categoria.