Petros suspende cobrança de déficit do PP-1 em Minas Petros suspende cobrança de déficit do PP-1 em Minas

Diversos, Notícias, Tribuna Livre | 26 de setembro de 2018

petros-logoNa semana passada, a Petros finalmente suspendeu os descontos referentes ao equacionamento do déficit do Plano Petros do Sistema Petrobrás (PPSP) ou Plano Petros 1 (PP-1) a toda a categoria, inclusive os petroleiros não sindicalizados.

A medida atende a uma liminar obtida pelo Sindipetro/MG no dia 2 de agosto, que prevê ainda a devolução das contribuições extraordinárias cobradas a partir de maio de 2018 – data a partir da qual os descontos relativos ao déficit do PP-1 em Minas foram suspensos graças a outra liminar obtida pelo Sindicato.

Equacionamento do PP-1

Em setembro de 2017, o Conselho Deliberativo da Petros aprovou o equacionamento do déficit do Plano Petros 1 pelo valor máximo – R$ 22,6 bilhões e corrigido até dezembro de 2017 chega a R$ 27,7 bilhões.

Diante da aprovação das cobranças extras, a FUP e seus sindicatos filiados ingressaram com Ações Civis Públicas ainda no ano passado para barrar cobrança do déficit do Plano Petros 1. A Federação entende que a cobrança pelo teto é abusiva e penaliza participantes e assistidos do plano.

A ação do Sindipetro/MG já obteve liminar favorável e as cobranças dos sindicalizados foram suspensas em maio. Já dos petroleiros não associados ao Sindicato só foi suspensa neste mês de setembro. A decisão determina, além da suspensão das contribuições pelo máximo, a realização do equacionamento pelo mínimo. Outros sindicatos já tiveram liminares semelhantes.Já a ação da FUP ainda não foi julgada.

Leia também: 

Enquanto a Petros mantém o equacionamento, planos acumulam novos déficits
Justiça determina execução de multa contra Petros em Minas Gerais
Conselheiros cobram suspensão da nova metodologia de apuração da cota dos planos da Petros
Petros faz mudança na metodologia de cálculo da cota do PP-2
Justiça amplia efeitos da liminar do Sindipetro/MG contra a Petros

Petros suspende cobrança de déficit do PP-1 em Minas